phone: +351 912 241 983 | +1 347 851 0251
e-mail: info@TheRoyal45.com

Monday, December 03, 2007

Premier League, 01/12/2007







Manchester City agora sob a alçada de Sven Goran Eriksson, está a constituir-se como uma das equipas mais apetecíveis de ver jogar, mas também como a maior surpresa desta época.

Começou a partida da maneira mais fulgurante possível, com um golo do brasileiro ex-Benfica, Geovanni nos primeiros segundos, após perda de concentração da defesa do Wigan, a ultrapassar o guarda-redes e a facturar.

Aos 25 minutos a equipa do recém re-adquirido Steve Bruce logrou obter o empate através de Scharner ao segundo poste a concluir uma jogada bem construída por Jason Koumas que após passar por Corluka coloca a bola para Scharner marcar.

Wigan – Manchester City 1 – 1


O Sunderland derrotou o Derby County por 1 – 0, com um golo marcado aos 90 minutos por intermédio de Stokes.

A táctica de contra-ataque utilizada desde o primeiro minuto pela equipa do Derby County parecia dar resultado até ao minuto final, fase em que Anthony Stokes, nos descontos, com um ressalto ganho desfere um tiro volley e balança as redes do Derby County oferecendo desta forma os 3 pontos ao Sunderland de Roy Keane que desta forma ganha 3 preciosos pontos na fuga à despromoção.

Sunderland – Derby County 1 - 0


Portsmouth – Everton ofereceram uma partida fraca de futebol que condiz com o número de oportunidades de perigo causadas, 2 e a fazer dos visitantes.

Resume-se a um centro de Neville na ala para o primeiro cabeceamento falhado do internacional A. Johnsson, para que Pienaar após recolher a bola não conseguisse fazer melhor do que fazer a bola rasar o poste do guardião D. James.

5 Minutos volvidos, nova oportunidade desperdiçada pelo Everton agora por intermédio de Osman que não deu o melhor seguimento ao trabalho de Yakubu, ao não conseguir isolado controlar a bola de forma a preparar um remate certeiro. David James acaba por sair como o jogador mais em foco da partida.

Portsmouth – Everton 0 - 0


O Borough de novo com Rochemback na equipa inicial, não auspiciando o falado empréstimo ao Sporting devido à sua regularidade na equipa principal começou a partida num ritmo acelerado.

A partida foi sempre muito mexida, com oportunidades para ambas as partes, facto que traduziria o resultado final num empate a uma bola.

Muitos jogadores a caírem na área adversária esperando o apito do árbitro, porém o mesmo apitava no sentido contrário aos intuitos dos avançados.

Boateng quase inaugurou o marcador, ao fazer entrar a bola na baliza do Reading, mas fora-de-jogo bem assinalado.

Adam Johnson acerta em cheio no poste após receber a bola de Dong Gook e só com Hahnemann para bater, o melhor que consegue é escutar o eco do embate da sua bola no poste.

Quem não marca, sofre, diz à máxima do futebol, e passados 15 minutos, o Reading abre o activo por intermédio de Dave Kitson, após picar a bola sobre Turnbull numa jogada originada pelo guarda-redes Hahnemann com um grande pontapé de baliza.

Quase a fechar a partida, o turco Tuncay com um poderoso cabeciamento a centro do internacional britânico Luke Young bateu o desamparado Hahnemann para fazer o resultado final.

Reading – Middlesbrough 1 – 1


Blackburn Rovers – Newcastle foi uma partida jogada entre equipas a partilharem o meio da tabela.

Um futebol pouco abaixo do que nos habituaram estas duas equipas que lutam pelas competições europeias, mas que no decorrer desta época ainda não se mostraram como candidatos válidos para tal competição.

O jogo só teve motivos de interesse no segundo tempo, quanto mais não fosse pelos golos. De forma surpresa e contra a corrente do jogo, aos 47 minutos, o Newcastle inaugurou o marcador por Martins após livre do camaronês Geremi. Um golo fabricado em África directamente para a Europa.

Passados 5 minutos, os Rovers restabelecem a igualdade através de um soberbo golo de Bentley, a ex-jovem pérola do Arsenal. Um pontapé livre a 25 metros.

O Newcastle perto de passar para a frente através de uma jogada com remate de James Milner e posterior recarga de cabeça de Martins, mas a rasar a barra.

Na jogada posterior, ataque do Blackburn e após passe de Santa Cruz, o tal jogador que não assinou pelo Porto devido a falha dos testes médicos, para Bentley que fabrica outro momento mágico de futebol com o seu magnífico pé direito. 2-1 Blackburn.

O jogo não termina, sem que antes do cair do pano, Tugay, o turco mágico, consiga com a parte exterior de seu pé direito colocar a bola nas redes do Newcastle pela 3ª vez nesta partida, acabando de vez com a partida.

Bentley com 2 remates, 2 golos, 3 recuperações de bola e 13 passes de rotura fizeram a diferença numa partida em que sobressaiu e fez jogar a equipa.

Blackburn Rovers – Newcastle United 3 – 1

A equipa londrina foi ao Villa Park vencer num jogo muito complicado, jogado taco a taco tacticamente.

O Arsenal entrou a perder numa fase preliminar do jogo, dado que aos 15 minutos, o possante norueguês John Carew coloca a bola por cima de Agbonlahor que a deixa passar para Gardner que com um remate simples bate Almunia.

10 minutos após o golo caseiro, o Arsenal meteu o pé no acelerador e através do flanco esquerdo, nomeadamente com o envolvimento Sagna e Eboue que desenharam uma jogada fantástica com o destino em Rosicky, porém o central do Villa, Knight a dar um pequeno toque e a fazer ressaltar a bola para Flamini que rematou para o canto inferior da baliza do Aston Villa.

O segundo golo do Arsenal surgiu 10 minutos mais tarde, após o empate, com os mesmo suspeitos do costume, Eboue, Sanga a que se juntou Hleb para um cruzamento certeiro para Adebayor bater Carson e colocar então o Arsenal perto dos 3 pontos, que consolidam a sua vantagem no topo da Premier League.

Aston Villa – Arsenal 1 - 2