phone: +351 912 241 983 | +1 347 851 0251
e-mail: info@TheRoyal45.com

Monday, December 03, 2007

Premier League, Chelsea vs. West Ham 1 – 0

O derby londrino a opor o Chelsea ao West Ham, onde Avram Grant espera manter a invencibilidade de longa data a jogar no seu terreno. Para isso, e utilizando a politica de rotatividade do plantel, fez quatro alterações no que diz respeito à vitória expressiva de 0-4 sobre o Rosenborg, para a Liga dos Campeões. Assim, Steve Sidwell, Wayne Bridge, Mikel e Kalou substituíram Makelele, Wright-Phillips, Ashley Cole e o suspenso Essien.

Um jogo de veras morno com o Chelsea a amontoar-se no ataque na primeira parte, porém a esbarrar no jogo altamente disciplinado em termos defensivos do West Ham.

Luís Boa Morta a ter uma conduta de carácter menos desportiva ao pontapear desnecessariamente o guardião do Chelsea, e a originar um sururu entre jogadores, e a pegar-se vivamente com John Terry, ainda assim não originou nenhum cartão amarelo.

Ao jeito de Poborsky contra Portugal no Euro 96, Solano que jogou uma partida tremenda, tenta imitar o checo e Cudicini com um toque de classe a conseguir tirar a bola de golo, e incrivelmente o auxiliar aponta para o pontapé de baliza!

Drogba desvia as atenções e concentração do jogo para os fans, que partilha com o árbitro que está a ser encadeado com uma luz laser que o persegue para trás e para a frente. Hilariante.

O equilíbrio da partida reflecte-se nas estatísticas ao intervalo, na medida em que Chelsea 53% - West Ham 47%, posse de bola.

Porém a segunda parte trouxe um Chelsea com uma personalidade diferente, mais combativo e agressivo no meio campo, proporcionando ao ataque, e especialmente a Drogba grande visibilidade.

O jogo já dava para tudo, até “Olé’s” dos fans do West Ham após jogada, que relembra o Milan frente ao Benfica na quarta feira, de 12 passes sucessivos até se esbarrar posteriormente na linha defensiva adversária.

Aos 76 minutos, finalmente o Chelsea consegue chegar com perigo à baliza e através do trio Drogba, Kalou e Joe Cole, este último ultrapassa Green, o guarda-redes do West Ham, e envia-a para o fundo das redes de ângulo reduzido. A repetição mostra que Joe Cole estaria claramente em fora de jogo, porém a cultura inglesa cinge-se às regras impostas pela FIFA em que se beneficia o ataque em caso de dúvida. E em Portugal como se faz ??

O Chelsea passa após o golo a temporizar o jogo e a organiza-lo calmamente, convidando o West Ham a subir enquanto suavemente trocam a bola.

Vitória feliz, mas sem descurar da dedicação e esforço dos Blues e os 3 pontos acabam por ser bem entregues face à toada mais ofensiva e objectiva do Chelsea na 2ª parte.