phone: +351 912 241 983 | +1 347 851 0251
e-mail: info@TheRoyal45.com

Monday, February 23, 2009

UEFA CUP












Os quadros a seguir...

Reportando à partida do Benfica, alguns dados confirmam o que se tem passado no campo, desde a Taça de Portugal até às Europas e consequentemente onde estaria inserido, Taça UEFA. Depois de uma autenticamente gloriosa vitória perante o invencível Nápoles vieram-se derrotas contra adversários que foram, basicamente substimados, e se o inferno da Luz desapareceu, na Grécia, isso não passou de moda, ficando assim este apontamento sobre a massa associativa, dado que não pode contemplar somente a vitória. Exemplo também servirá a "criança" que é o Kharkov nestas competições depois de há menos de uma década andar nas divisões inferiores e agora ocupar uma lisonjeante 3ª posição no ranking por pontos nas partidas dos grupos como segue em anexo o quadro.

Uma equipa que joga com jogadores pouco rodados sem sistematização de rotação de equipa, é o mesmo dizer que estão a jogar para cumprir calendário e não respeitar a massa associativa seja ela em que números se basear. É possível verificar jogadores que se dedicam à sua profissão e agarram com unhas e dentes a oportunidade e depois há outros jogadores que se dedicam a fazer tudo menos praticar futebol ou então efectuando esse mesmo vértice desportivo de forma egoísta sem contribuíção para o espectáculo.

A posição de David Luíz será sempre questionada, quando o mesmo rende na posição natural e não em posições adversas ao seu crescimento, apesar de, profissionalmente, dar o meu parecer em que os jogadores devem ser estimulados à rotatividade de algumas posições em que estão consignados no seu potencial, mas não explorar para desgastar e desvalorizar. O mesmo se passa com o grego do Benfica que faz as posições todas e mais algumas quando a posição do mesmo é reconhecidamente na zona do meio campo e não na defesa, apesar dos seus rendimentos positivos nessa zona. Desde a partida do V. Setúbal, atribuírem como culpado e/ou bode espiatório a Quim, não faz sentido, independentemente do seu momento de forma menos conseguido, sendo que pensando também em prol da selecção o mesmo consagrou grandes exibições e passar atestados de ignorância futebolistica a um jogador quando o que nao resulta é o todo da equipa encarnada é estar a encontrar desculpas em vez de soluções.

Com a abertura do mercado é potencial alguns acertos de plantel e aí poderá Quique Flores ter ao seu dispor aquela tal equipa que Filipe Vieira esbanjou em elogios e que avistava grandes triunfos europeus como o Benfica dos anos 60. O bem do Benfica acabará por ser o bem do futebol portugues, começando por esse ponto, porque irá reconfigurar a credibilidade e competitividade que já teve melhores dias no país do fado, Portugal.

Buscando comparações de milagres, claro está, não pelos 8 golos de diferença que o Benfica teria potencialmente de ter, mas sim no conceito da competição e vitória como se tratasse de uma final, podemos deslumbrarmos como Paul Le Guen oleou a máquina no Parque dos Principes e fez com que o PSG até ao ultimo minuto acreditasse na qualificação. Resultado? Faltavam poucos minutos para terminar a partida e o panorama não estava risonho, porque o PSG ganhava apenas por 2-0 enquanto que o seu rival directo, Racing de Santander vencia por 3-0 o Manchester City, e é quando Paul Le Guen discurtina a estratégia e saca o coelho da cartola e magia fez-se, 2 golos para o PSG e o golo que faltava o Manchester City marcar para que as contas tomassem o sentido oposto que minutos antes eram desfavoraveis ao PSG. Vitória e qualificação do PSG na fase de grupos. É um dos exemplos.

O Sevilha, por exemplo, a fazer um notório campeonato a nivel caseiro em Espanha, também com um plantel orçado em muitos milhões, não conseguiu escapar à eliminação. Ossos do ofício.

Perspectivando em flashback estatistico, o Benfica foi a equipa que esteve mais tempo sem vencer durante a competição, a par do Hertha de Berlim, 57 dias, seguido de perto por Brugge, Feyenoord, Heerenveen com 56 dias de jejum.

Peço a vossa atenção para o gráfico e sem que faça directamente a apreciação por palavras, o grafismo passa a palavra e demonstra de como se faz a queda de um clube que lutava objectivamente pelas frentes europeias e de luta, esforço e dedicação viu-se pouco. A pique...

Lech Poznan, Zilina, Slavia Praga, Nancy, Twente, NEC, equipas de categoria, historial e plantel orçado muito mais baixo que o do Benfica ficaram posicionados acima e em grupos muito mais desfavoráveis. Uma palavra de apreço para essa mesma entrega dos chamados clubes mais fracos que começam a dispontar no universo futebolistico.

De relembrar que as quedas europeias dos clubes portugueses afectam gravemente o quoficiente estatistico da UEFA e como já há 2 semanas coloquei em destaque estamos atrás de países que começam a ganhar uma vantagem complicada de atingir, mesmo que as suas ligas pareçam competitivamente mais desequilibradas.

Quique Flores tem um sistema de jogo muito continental, que poderá ser afectado pelo jogo de banco, porém está focalizado na circulação de jogo e sem a utilização de maestro, já o era assim no Valência, talvez por isso também o substituto de Rui Costa, Pablo Aimar, ainda não tenha encontrado o seu espaço na perspectiva inicial que se esperava. Aguarda-se que alguém dentro de campo possa ter uma voz de comando. Porque tudo o resto começará a entrar nos parametros estabelecidos pelo técnico espanhol.

Aguardamos pela motivação e o retorno do competitivo Benfica.

Não deixar de mencionar a perfeita carreira que Jorge Jesus tem feito no Sporting de Braga e o feito de se ter qualificado para a próxima fase num grupo complicadíssimo com um tipo de futebol distinto em cada estádio percorrido. De facto, é de louvar, nesse mesmo sentido, a atitude dos jogadores bracarenses ao acreditarem no seu valor e potencial e dissiparem dúvidas existentes sobre o que um clube de pequenas dimensões pode causar, fazendo lembrar os ausentes Alavés e Leeds United.


Para último, deixamos mais um golo da autoria de Cristiano Ronaldo na vitória de 3-5 do seu Manchester United versus Gamba Osaka e que perfaz com que os ingleses passem à final da competição "FIFA WORLD CLUB CUP 2009", defrontando o vencedor da "COPA LIBERTADORES", Liga Deportiva Universitaria de Quito, este Domingo, Yokohama.

Copyright © 2009 Nelson Motta™ All Rights Reserved